fbpx
Como funciona a Ortodontia no século 21

Como funciona a Ortodontia no século 21

Compartilhar

Ao analisar a evolução da Ortodontia nas últimas décadas, Flavio Falcão Bauer chega ao século 21 destacando o uso da tecnologia.


A Ortodontia entra no século 21 liquidando a era romântica. A especialidade era artesanal e com alto valor por paciente, mas migrou para uma Ortodontia moderna, na qual o profissional tem que atender um grande número de pacientes para sobreviver economicamente com sucesso.

Os materiais estavam cada vez mais desenvolvidos, oferecendo conforto tanto para o cirurgião-dentista quanto para os pacientes. Esse desenvolvimento, juntamente com o avanço dos equipamentos radiológicos, permitiu diagnósticos precisos e a elaboração de planos de tratamento.

Com isso, os ortodontistas fortaleceram suas clínicas, atendendo a um número cada vez maior de pacientes, porém, consequentemente, os preços caíram. Outras modalidades de atendimento surgiram, como os ortodontistas que trabalham em parceria com cirurgiões-dentistas de especialidades diversas e que tinham um volume de pacientes para indicar. Esses parceiros recebiam um percentual do que seria cobrado do paciente, e a profissão foi perdendo poder aquisitivo.

Avançando no tempo, a Ortodontia se torna coadjuvante nos tratamentos estéticos feitos por protesistas e um novo caminho se abre. Paralelamente, os braquetes se tornaram cada vez mais delicados e estéticos e as técnicas mais suaves para os pacientes adultos que buscavam um sorriso bonito. Muitos pacientes realizavam a finalização do tratamento nos consultórios de protesistas, que tinham o trabalho facilitado pela ação dos ortodontistas. Também, os implantes e microimplantes simplificavam a atuação dos ortodontistas nas reabilitações.

Neste momento que nos achávamos altamente capacitados, surgiram os alinhadores revolucionando o mercado. De início, esse sistema estava engatinhando em relação às técnicas e apresentava resultados bons para um número restrito de casos. Mas, com a injeção maciça de investimentos, os alinhadores passaram a tratar com êxito um número bem maior de pacientes, criando uma demanda. Além disso, eles têm como vantagem o fato de serem mais estéticos e confortáveis. Novamente, nós, profissionais da Ortodontia, temos que dançar conforme o ritmo atual.


Flavio Falcão Bauer
Graduação e mestrado pela Fousp.

Fechar Menu